Atualizar o layout da loja é essencial para elevar as vendas.

Afinal, alterações nos hábitos do brasileiro, entrada de novas categorias e criação de soluções de consumo exigem intervenções para manter a loja ‘vendedora’.

Mexer no layout das lojas nunca foi algo regular nos supermercados. Mas, de uns anos para cá, o varejo descobriu que ampliar a área de vendas, criar, aumentar ou diminuir seções e mudar a localização de departamentos tornou-se uma forma de garantir mais vendas. Afinal, alterações nos hábitos do brasileiro, entrada de novas categorias e criação de soluções de consumo exigem intervenções mais corriqueiras no layout para manter a loja ‘vendedora’. Sondagem feita por SM com 145 supermercadistas revela que nada menos de 79% realizaram mudanças total ou parcialmente – a maioria (57,2%) há menos de um ano. Quem vem investindo na renovação do layout comemora melhores resultados e se sente fortalecido na crise.

Uma das maiores dificuldades enfrentadas ao se mudar as seções de lugar é o desconforto causado no consumidor. Para evitar o problema, é preciso sinalizar de maneira clara a nova localização. É importante o público entender que as alterações aconteceram para facilitar as compras

Alguns exemplos

Custo x resultado

Com três lojas, a rede mineira Superbox mudou completamente o layout de uma das filiais localizadas em Contagem. De 700 m2, a área de vendas foi ampliada para 1.000 m2, aumentando o fluxo dos clientes em 6% e o faturamento em10%. “A iniciativa ajudou a reduzir os efeitos da crise econômica”, comemora Natália Castro, diretora-geral da empresa. A alteração ocorreu porque a empresa identificou novos condomínios residenciais nas redondezas e a necessidade de atrair essa clientela. A obra, concluída em março de 2015, exigiu investimento de R$ 1,2 milhão. Outra rede, a central de negócios Bom Dia, com lojas localizadas no Paraná, também teve várias unidades modernizadas. Para Tarley Kotsifas, presidente da central, os associados mantiveram seus planos porque é mais barato reformar do que construir uma nova unidade. Segundo ele, uma loja de cerca de 1.000 m2 requer perto de R$ 300 mil, o que é um custo viável. Kotsifas comenta que duas a três lojas têm sido reformadas anualmente, todas para atender melhor a clientela. A central conta com 35 unidades, cujas áreas de vendas variam entre 400 m2 e 2.500 m2.

 

 

 

 

 

 

Atender melhor a demanda

Maior rede do Paraná, com receita de R$ 3,7 bilhões em 2014, segundo o 44º Ranking de Supermercados de SM, o Muffato repaginou a unidade de Cerro Azul, na cidade de Maringá. Depois de a área de vendas crescer 30%, alcançando 4.500 m2, o supermercado foi transformado em um hiper. Ganhou novas seções, como bazar, eletros, adega e rotisseria. “Havia uma demanda reprimida na localidade que precisávamos atender. O público queria maior variedade e mais serviços”, explica Everton Muffato, diretor da companhia. Além de ampliar e diversificar o sortimento, a rede aproveitou para tornar todo o ambiente mais agradável às compras, o que representa um serviço melhor. Foram substituídos piso, iluminação, forro do teto, além de tubulações de gás. Já na rede mineira Superbox também entraram novos equipamentos – uma ilha a mais para congelados, balcões refrigerados mais eficientes e checkouts. Afinal, quando se mexe no layout, se costuma mexer em tudo para melhorar o atendimento e a operação.

Soluções para os problemas
Entre os que afirmaram ser complicado alterar o layout, a maioria (56%) apontou a dificuldade de escolher a melhor solução. Na rede paranaense Bom Dia, por exemplo, alguns associados levaram a seção de hortifrútis para a frente e outros a deslocaram para o lado esquerdo. “Temos observado que quem optou pela entrada está tendo melhores resultados”, afirma Tarley Kotsifas, presidente da central de negócios. Ele avalia que é mais fácil realizar testes nesse setor do que no de congelados e resfriados, no qual é necessária uma infraestrutura elétrica. Kotsifas também acredita que deslocar muitas seções pode prejudicar as vendas por gerar confusão no cliente. Mas é possível contornar o problema, segundo o arquiteto Julio Takano, sinalizando cada área com precisão, até o consumidor formar novo mapa mental. “O importante é a pessoa sentir que a mudança foi feita para melhorar sua experiência de compra”, afirma o especialista.Takano explica ainda que os novos projetos têm seguido a lógica dos shopping centers: avenidas principais, que permitem enxergar a localização das seções, e corredores transversais, para expor os produtos. Ele defende também uma segmentação diferente, não pautada necessariamente no perfil socio-econômico da clientela. “O ideal, sobretudo em lojas que atendem público de diferentes camadas sociais, é criar “micromundos” – na área de vinhos, por exemplo, expor versões para classe A, mas também para a C. “Essa tarefa não é simples, mas traz bons resultados”, defende o especialista.

 

Mudar o layout é difícil…

Não com a acessoria correta com as empresas certas, tudo é bem tranquilo cerca de 63% dos entrevistados disseram  não ter tido nenhum tipo de problemas na mudança de layout.

A Amplo expositores tem um grande experiencia principalmente na parte de revestimentos, Horti-Fruti, cantinho do Churrasco e toda parte que podem contemplar madeira.

Com uma equipe especializada, contando com designer e arquitetos fazem um projeto e estudo da loja sem nenhum custo para o cliente.

Quer agendar uma visita sem compromisso envie um email para luciano@confiencenegocios.com.br.

Fonte http://www.sm.com.br/detalhe/Perenidade/atualizar-o-layout-da-loja-e-essencial-para-elevar-as-vendas

 

 

 

Publicado em Dicas | Deixar um comentário

Como se preparar para vender o seu negócio

Muitos empresários enxergam que vender uma empresa é um atestado de falência. Mas não é bem assim.

Muitos empresários enxergam que vender o seu negócio confirma o atestado de falência, mas na verdade, isso pode significar o contrário. Com um mercado mais concorrido e aquecido, esse pensamento tende a passar por uma transformação e começa a ser visto como uma oportunidade de crescimento e renovação.

Como tomar a decisão de vender?

A mudança na concessão de liderança administrativa é um dos grandes desafios a serem tomados pelos donos das empresas, pois essa decisão determina o futuro do negócio. Contudo, existe algo que deve ser primordial: analise cuidadosamente os resultados obtidos durante o período que atuou na liderança da empresa e, a partir disso, crie uma estratégia de saída bem planejada.

Uma estruturação eficiente ajuda a maximizar o seu valor, ou seja, quanto mais cedo você estruturar um planejamento com eficiência, mais rápido e bem posicionado você vai estar para preparar as bases do seu projeto futuro, e consequentemente, estar mais propício ao sucesso.

Conheça os investidores

Para que a mudança ocorra, é necessário fazer uma busca de interessados que tenham a ver com o negócio. Essa busca pode ser feita pelo próprio empresário ou por intermédio de terceiros como consultores.

A partir da escolha, se reúna com este comprador em sigilo, pois a informação sobre a troca de liderança não deve se tornar pública para não comprometer o funcionamento do negócio. Uma dica importante é sempre assinar um Acordo de Confidencialidade para passar qualquer tipo de informação do seu negócio.

Se você já colocou o seu negócio à venda, entre em contato clicando aqui, para fazermos uma visita e auxiliar nesta venda.

A hora de mudar

A apresentação da sua empresa ao interessado é muito importante. Por isso, tenha um sistema contábil e gerencial robusto e se possível auditado, pois em muitos casos, isso é a chave para o fechamento da negociação.

Além disso, o planejamento eficiente faz com que aumente o valor da empresa caso ocorra negociações para uma transação, o que irá te ajudar na decisão de aceitar ou recusar uma oferta.

Informe seus funcionários

Leve em consideração os efeitos da venda para os seus funcionários e os informe o mais breve possível sobre o que irá mudar a partir da nova gestão. Toda a informação deve ser passada de forma clara e sucinta. Isso proporciona segurança aos funcionários, principalmente aos que trabalham há mais tempo na empresa.

Um novo começo

Pratique o desapego e veja essa fase como um novo caminho a ser percorrido. E um dos caminhos pode ser empreender em outra área. Estima-se que, pelo menos 10% das empresas brasileiras já tenham sido vendidas e operam sob novos donos.
Mas como no seu negócio anterior, se planeje, crie metas e elabore propostas que tenham a ver com você. E utilize as suas experiências anteriores para determinar o ponto de partida. Ter conhecimento sobre a área que deseja atuar é essencial para montar um novo negócio com competência.

Faça parceria estratégicas

Convença fornecedores e clientes a apostarem no seu negócio, mostrando o potencial dele e as vantagens das quais todos poderão desfrutar. Assim, novos investidores podem concordar em trocar seus serviços por uma participação nos lucros, por exemplo.

Temos uma equipe especializada neste seguimento, clique aqui e agenda uma reunião sem compromisso.

 

Publicado em Dicas | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

Saiba qual é a diferença entre móveis planejados e móveis sob medida.


Produzidas a partir das mesmas matérias-primas, as duas modalidades se diferem por outros quesitos. Confira quais são eles.

Produzidas a partir das mesmas matérias-primas, as duas modalidades de mobiliário se diferem por outros quesitos. Confira quais são eles

Quem opta por planejar móveis para casa geralmente busca de beleza e praticidade, aliadas à personalização dos ambientes de acordo com sua necessidade, perfil e espaço disponível.

Para suprir essa demanda, o mercado oferece diversas opções de móveis planejados e de móveis sob medida. Ambos podem ser adaptados a qualquer projeto, grande ou pequeno, porém, escolher entre um e outro depende muito do tempo a que se está disposto esperar e do dinheiro que é possível investir.

Diferenças

Quando o móvel escolhido é sob medida significa que o profissional especializado irá projetá-lo com base na medida exata do imóvel, partindo do zero. Neste formato, cada peça tem um corte específico para encaixar milimetricamente nos espaços. “A técnica sob medida permite que alguns móveis sejam trabalhados de forma mais detalhada, com aplicação de molduras mais elaboradas, além de preencher todos os espaços”, explica Antônio Roberto Alves, marceneiro com experiência de mais de 30 anos de mercado.

Já o móvel planejado consiste em uma modulação padrão de medidas. Ou seja, para um projeto são utilizados módulos pré-fabricados em dimensões padronizadas que se encaixam entre si, sendo finalizados com peças de acabamento. “O móvel planejado trabalha com a fabricação de modulados, ou seja, todas as peças são feitas em medidas padrão. A partir das peças já determinadas pela fábrica, as lojas do ramo desenvolvem o projeto, desenhando através de programas computadorizados”, explica Daniela Soares, arquiteta.

Tanto o móvel planejado quanto o móvel sob medida têm como matéria-prima básica painéis de madeira produzidos a partir de pinus ou eucalipto, provenientes de áreas de reflorestamento. Antes de fechar negócio é importante verificar a procedência da empresa com a qual se escolhe trabalhar, a fim de confirmar se são conduzidas de forma ambientalmente correta. “Contratar uma empresa sólida, que forneça garantia, ferragens de qualidade, material diferenciado para cada acabamento e pós-venda faz uma grande diferença para evitar aborrecimentos no futuro”, informa o diretor de marketing da Marel Móveis Planejados, Eloy Luiz Scheuer.

Para a arquiteta Carla Kiss, acostumada a trabalhar com móveis sob medida, uma das principais vantagens deste tipo de móvel é a possibilidade do marceneiro criar detalhes especiais como frisos, molduras diferenciadas e recortes, já que ele produz peças individualmente, seguindo as medidas de cada espaço. “Se o projeto exigir medidas especiais, profundidades fora de padrão, recortes para colunas e pilares indesejáveis, o móvel vai se adequar a cada necessidade perfeitamente”, explica. Porém, a personalização dos ambientes nos mínimos detalhes pode tornar o preço mais elevado.

Prazos de entrega

Considerando que móveis sob medida são pensados individualmente para cada pessoa ou família, tanto no design quanto na fabricação, eles precisam de um prazo maior para serem produzidos.

O processo de compra e execução dos móveis planejados (envolvendo desde a visita à loja até a finalização da montagem) pode levar, em média, 45 dias (15 dias para o desenvolvimento do projeto e 30 dias para a entrega e a execução). Gostaria de ter ideia de prazos e agendar com um projetista clique aqui.

Para se ter maior compreensão do mercado, móveis sob medida desenvolvidos separadamente e somente por marcenarias podem demandar mais tempo, em torno de 60 dias. Para qualquer uma das escolhas é necessário planejar todo o processo com certa antecedência.

Facilidade na revenda do imóvel mobiliado

De acordo com Daniela Soares, alguns imóveis geralmente são vendidos mais rapidamente quando já estão mobiliados com móveis planejados e/ou sob medida: “O projeto já pronto ajuda as pessoas que não conseguem imaginar o imóvel mobiliado e sentem-se inseguras para fazer a escolha de moveis novos”, explica.

Gostaria de maiores informações clique aqui, ou envie um e-mail para luciano.garcia@ebonatobc.com.br.

Fonte : https://revista.zapimoveis.com.br/diferenca-entre-moveis-planejados-e-moveis-sob-medida

Publicado em Dicas para sua casa | Com a tag , , , , , | Deixar um comentário

Crise aumenta número de permutas no mercado imobiliário.

A crise econômico impulsionou uma velha prática de mercado, mas pouco usada no setor imobiliário: a permuta. “As pessoas continuam com vontade de mudar de imóvel, mas, em tempos difíceis, preferem preservar o dinheiro guardado no banco ou simplesmente não tem caixa para investir em uma casa nova”, afirma o diretor comercial da imobiliária Coelho da Fonseca, André Souyoltgis. É nesse cenário que esse tipo de transação ganha espaço.
De acordo com ele, de 2015 até agora, o número de permuta de imóveis cresceu em razão da crise. “2016 foi o ano com o maior número de trocas em dez anos. Fizemos 2,5 vezes mais permutas em 2016 do que em 2015”, diz Souyoltgis, sem no entanto revelar os números dessas negociações.
O negócio ficou tão em alta que a imobiliária Lello precisou criar um campo de busca novo em seu site. “Em agosto, com o número crescente de pedidos, decidimos inserir a opção ‘permuta’ no portal. Assim, quem procura uma casa nova para comprar já consegue saber quais vendedores aceitam outro imóvel em troca”, explica o diretor de vendas da Lello, Igor Freire. “Os proprietários estão mais flexíveis, porque sabem que se não aceitarem um imóvel menor como parte do pagamento, podem ficar muito tempo esperando pelo comprador perfeito”, afirma.
Fernando Araujo Carneiro, de 33 anos, foi um dos que se beneficiaram com a maleabilidade dos vendedores. O eletricista queria sair do apartamento de dois quartos, sala e cozinha para morar em uma casa maior. Chegou a colocar seu imóvel à venda, mas ninguém queria pagar o valor que ele considerava ideal.
Junto com a imobiliária, resolveu apostar na permuta. Encontrou um proprietário que não estava conseguindo vender a casa de R$ 500 mil. “Ele decidiu aceitar meu apartamento e meu carro em troca, porque pelo menos teria uma parte do dinheiro em mãos. Era melhor do que esperar mais tempo pela venda tradicional”, diz Carneiro.
O eletricista ainda obteve um financiamento imobiliário de R$ 200 mil para pagar o restante do valor. “Para a minha família foi excelente. Queríamos mudar para uma casa melhor, com mais quartos e outras facilidades, mas não tínhamos dinheiro nem crédito para isso. A permuta possibilitou a realização do sonho”, conta.
Dificuldades. Nem sempre, porém, é fácil combinar a compra e venda dessa forma. Apesar de a crise ter facilitado a permuta, compradores, vendedores e corretores podem enfrentar alguns percalços no processo.
“É difícil encontrar dois clientes que tenham desejos conciliáveis. O proprietário do imóvel de valor mais baixo precisa achar um outro dono que aceite aquela casa ou apartamento como está”, diz Freire. A dica para a permuta dar certo é aceitar uma depreciação do valor de mercado. “Assim, o vendedor sabe que vai conseguir ganhar alguma coisa quando vender o apartamento que aceitou como parte de pagamento.”
Segundo o CEO da Imobiliária Mirantte, Luiz Carlos Kechichian, ele incentiva seus funcionários a conhecerem muito bem seus clientes. “Às vezes, um comprador precisa ir para uma casa maior, em um bairro mais afastado da cidade, porque a mãe ou a sogra vai se mudar para a residência dele. Então, o corretor pode oferecer a permuta para uma família, que ele saiba que deseja migrar para um apartamento pequeno porque os filhos saíram de casa, por exemplo.”
Motivos. Além da crise e de necessidades pessoais específicas, outras razões que fazem os clientes aceitarem as permutas são a vontade de se livrar de altas taxas condominiais ou IPTU. “Se o vendedor está com dificuldade de achar um comprador que pague em dinheiro a quantia total, é melhor aceitar a troca por um apartamento menor e gastar menos com condomínio e manutenção”, diz Freire.
As permutas – que, na verdade, funcionam como uma compra e venda dupla – são interessantes para as imobiliárias, porque garantem o pagamento de duas comissões, em cima do valor dos dois imóveis. “Por isso, é interessante que corretores se empenhem para realizar esse tipo de negócio”, diz Kechichian.
No entanto, é exatamente a comissão duplicada que pode atrapalhar algumas negociações. Como a pessoa que oferece um imóvel de menor valor como pagamento é, normalmente, a compradora, ela acredita que só a outra ponta é quem deve pagar comissão. “Ela não entende que, na verdade, também está vendendo o imóvel dela, e por isso, deve pagar pela intermediação imobiliária”, diz Freire.
Para convencer os clientes, vale explicar que a permuta também tem vantagens tributárias. “Se a troca é feita entre imóveis de valores iguais, não há cobrança em cima do ganho de capital no imposto de renda; ou então só serão pagos o ganho de capital em cima da diferença entre os dois imóveis”, diz o advogado especialista em direito imobiliário, José Guilherme Siqueira Dias. Veja outras vantagens no quadro acima.

Avalie 

 Velocidade para os dois
Quando um vendedor aceita permuta na negociação, ele pode se livrar mais rápido do imóvel. O mesmo vale para o comprador, que não precisa vender o bem antes de fazer nova aquisição.

Dinheiro no banco
Em vez de esperar muito tempo para vender um apartamento e continuar pagando condomínio e IPTU, por exemplo, o proprietário pode aceitar um imóvel de menor valor. Dessa forma, garante pelo menos uma parte em dinheiro e diminui os gastos com manutenção.

Imposto de renda
Com a permuta, o vendedor só tem ganho de capital em cima da diferença entre um imóvel e outro. Caso seja uma troca “taco a taco”, não há cobrança de imposto de renda em cima da venda.

Duas desvantagens
Vendedor e comprador têm de concordar com a troca; e encontrar a combinação perfeita pode levar tempo. Além disso, é preciso que as duas pontas paguem a comissão da imobiliária.

Operação pode incluir outros bens

A troca de dois imóveis é o tipo de permuta mais comum nas imobiliárias. Mas outros itens também são aceitos – ou pelo menos oferecidos – como parte do pagamento. É o caso de automóveis e motos. “Quando o carro corresponde a uma parte pequena do valor total, os vendedores acabam aceitando”, diz o diretor de vendas da imobiliária Lello, Igor Freire. “É uma prática bem comum nas concessionárias: dar o carro usado como parcela do automóvel novo. Por isso, é comum acontecer na permuta imobiliária também”, diz o diretor comercial da Coelho da Fonseca, André Souyoltgis. O eletricista Fernando Carneiro ofereceu seu Chevrolet Onix 2014 como parte do pagamento do novo sobrado em Itaquera. “Precisava complementar o valor do apartamento, mas não poderia ser em dinheiro porque não conseguiria todo o financiamento pelo banco.” Souyoltgis, diz que é comum os clientes oferecem gado, joias, quadros, esculturas ou outras obras de arte e até avião. “Não são ofertas comuns, mas acontece. E tem gente que aceita.” Segundo o CEO da Imobiliária Mirantte, Luiz Carlos Kechichian, antigamente até linha telefônica era ofertada na compra de um imóvel. “Hoje, as tentativas mais inusitadas são de barras de ouro e títulos do Tesouro, mas é bem difícil dar certo uma permuta dessa.” No entanto, quando a troca envolve o uso desses bens para pagar um imóvel (em vez de imóvel por imóvel) as imobiliárias não podem cobrar comissão. “Como não é considerado intermediação imobiliária, não há comissão.”

Nossa imobiliaria vem estudando as melhores oportunidades no mercado imobiliario e com isso temos consultores expecialistas nesta área de permutas imobiliarias.
Se esta procurando este forma de negociaçõ entre em contato que vamos achar a melhor solução.

Entre em contato ou envie um email para luciano.garcia@wbonatobc.com.br

Fonte: http://economia.estadao.com.br/blogs

Publicado em Mercado Imobiliário | Com a tag , , , | Deixar um comentário

IMÓVEIS SUSTENTÁVEIS GANHAM ESPAÇO NO BRASIL

Cuidar do planeta em que vivemos é essencial, para garantir a sobrevivência e, também, maior qualidade de vida para a nossa geração e para as gerações futuras, e é pensando nisso que, cada vez mais, as pessoas têm se conscientizado e adotado práticas sustentáveis em seu dia a dia.

Construtoras estão inclusas nessa mudança: construções sustentáveis estão ganhando cada vez mais espaço no mercado imobiliário, trazendo inovações que são boas para construtoras, moradores e meio ambiente.

A principal ideia defendida pelo conceito de construção sustentável é a utilização consciente dos recursos naturais, tanto no processo de construção, como nas práticas propiciadas depois, aos moradores do empreendimento. Recursos de reaproveitamento de água, maior aproveitamento da luz solar – a fim de diminuir o consumo de energia elétrica, o que é bom para a natureza e, também, para o seu bolso – e a utilização de energia limpa são alguns dos fatores sustentáveis que podem ser utilizados em construções e, assim, beneficiar a todos.

Esse tipo de construção ainda não é muito popular aqui no Brasil, o que pode ser justificado pela falta de informação: profissionais da área acreditam que o maior empecilho para a construção de empreendimentos sustentáveis é a ideia errônea de que esse tipo de construção custa mais caro do que uma construção comum, o que pode ser exatamente o contrário, dependendo das medidas adotadas, é possível reduzir muito o preço de um imóvel sustentável, se comparado a um convencional.

Além disso, ainda é muito difícil encontrar mão de obra para esse tipo de construção, já que os profissionais não estão habituados com tal conceito e, por isso, não buscam aperfeiçoamento profissional para saber como lidar com materiais e práticas de construção diferenciadas.

A expectativa é que, nos próximos anos, empreendimentos sustentáveis tornem-se mais populares em nosso país e, assim, caiam no gosto dos compradores, trazendo benefícios para todos os envolvidos, inclusive o meio ambiente.

Independente do tipo de imóvel que você busca, a WBonato é a melhor imobiliária em Curitiba, sempre com os melhores imóveis e melhores opções de negócio para lhe oferecer!

Fonte: G1

Publicado em Dicas, Mercado Imobiliário, Tecnologia | Com a tag , , | Deixar um comentário

MANUTENÇÃO É A MELHOR FORMA DE PREVENIR-SE CONTRA DANOS EM TEMPORADAS DE CHUVAS

O inverno começou ontem, mas para quem mora em Curitiba, a temporada de frio e chuvas já se iniciou faz algumas semanas. Nesta época do ano os cuidados devem ser redobrados, tanto com a nossa saúde, como com os nossos imóveis. Isso mesmo, e se você não entendeu como a temporada de inverno e chuvas pode ser prejudicial para o seu imóvel, vamos explicar melhor o porquê.

Acontece que junto com o inverno chegam as chuvas fortes, que em meios urbanos podem significar danos desastrosos, já que é bastante comum encontrarmos tubulações com acumulo de lixo, o que torna a drenagem das ruas inviáveis e, consequentemente, dificulta o escoamento da água da chuva, transbordando bueiros e causando inundações.

Quando esse tipo de transtorno ocorre, é preciso estar preparado: é bastante comum que condomínios com garagens subterrâneas tenham problemas, e a única forma de lidar com isso é prevenindo-se.

Um sistema de drenagem mal projetado pode deixar o condomínio na mão quando as chuvas chegarem, além disso, a falta de limpeza em caixas e a obstrução de poços de captação de água da chuva também são fatores que merecem atenção especial.

Realizar frequentemente a manutenção dos ralos de terraço, realizando a limpeza adequada de calhas de telhados, caixas de passagens de água da chuva, caixas de esgoto e de gordura, são medidas simples que podem evitar uma grande catástrofe.

Além disso, caso a construção conte com poços pluviais no subsolo e bombas submersas, é necessário verificar periodicamente se ambos contam com um bom funcionamento constante, afinal, em caso de inundação da garagem, esses dispositivos serão a solução.

Por isso, para evitar danos às instalações de seu condomínio, não tem jeito, a única maneira realmente eficaz é realizar periodicamente a manutenção! Se você é síndico de um condomínio, fique atento a esses detalhes, e se você é morador, leve este artigo até o síndico do condomínio onde mora, é melhor prevenir do que remediar!

E se estiver em busca de um imóvel para chamar de seu e realizar manutenções periódicas, venha para a WBonato, nós temos os melhores imóveis em Curitiba para você e sua família!

Fonte: Secovi-Pr

Publicado em Dicas, Dicas para sua casa, Mercado Imobiliário | Com a tag , | Deixar um comentário

SAIBA QUAIS SÃO OS GASTOS COM A DOCUMENTAÇÃO DE IMÓVEL

Comprar um imóvel pode ser mais complicado do que parece: não vá pensando que basta, apenas, saber a localização e a quantidade de quartos desejada, existem burocracias muito maiores presentes nessa transação, por isso é tão importante que você não realize o processo de compra ou venda de um imóvel sozinho. Ter um corretor de imóveis capacitado, como os da WBonato, é fundamental.

Dentre as burocracias que devem ser levadas em consideração na compra de um imóvel está a documentação. Ao comprar, não basta apenas entregar o dinheiro para o vendedor, ou realizar o financiamento junto ao banco, pois existem diversos documentos que são essenciais para legitimar a sua compra, e conhecer quais são esses documentos é importantíssimo, para evitar dores de cabeça futuras, ou surpresas inesperadas na hora de fechar o negócio.

A documentação, obviamente, não sai de graça, a estimativa é que o valor de documentação fique em torno de 5% do valor total do imóvel, por isso é importante se programar em relação a isso. Para te ajudar, trouxemos aqui uma lista com os documentos que você precisará agilizar ao adquirir seu tão sonhado imóvel, e qual o valor previsto de cada um, confira:

Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)

Essa taxa é cobrada em casos de transferência de propriedade, e quem paga é o comprador, exceto em caso de permuta, no qual ambos os envolvidos na transação devem pagar. O valor varia de acordo com a cidade e com o valor total do imóvel, assim, o ideal é verificar com a prefeitura.

Registro de Compra em Cartório

Esse documento é necessário para transferir o imóvel para o nome do comprador, e o pagamento também fica por conta do comprador. O valor varia de acordo com o estado e, também, de acordo com a faixa de preço do imóvel.

Escritura

É o que representa o contrato de compra e venda do imóvel. O valor é definido por tabela, variável de acordo com a faixa de preço do imóvel e também com o estado onde está localizado. Em caso de financiamento, a escritura não é necessária, uma vez que o contrato de financiamento já desempenha o papel de contrato de compra e venda.

Jogo de Certidões

Você pode solicitar esses documentos a um despachante, e o preço médio fica entre R$ 600 e R$ 700, podendo variar de acordo com o despachante. O jogo de certidões não é um documento obrigatório, no entanto, é altamente recomendado, já que eles servirão para assegurar que o proprietário do imóvel não tem nenhuma irregularidade.

Taxa de Vistoria

Esse gasto é exclusivo para imóveis financiados, e corresponde à taxa cobrada pelo banco, para realizar a vistoria do imóvel, a fim de avaliar se o preço do imóvel está compatível. Essa taxa é variável de acordo com o banco, mas a estimativa é que esteja entre R$ 1.000,00 e R$ 3.000,00.

Está preparado para adquirir o seu imóvel, e arcar com todas as despesas necessárias? Então venha para a WBonato e encontre um dentre os melhores imóveis em Curitiba!

Fonte: Revista Zap

Publicado em Dicas, Mercado Imobiliário | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

PREÇOS DE IMÓVEIS NO BRASIL ATRAEM INVESTIDORES ESTRANGEIROS

O mercado imobiliário brasileiro está com um número tão elevado de ofertas que investidores estrangeiros começaram a se interessar nos preços baixos.

Empresas americanas, como a Blackstone, Exxpon e Top Capital, estão de olho em imóveis brasileiros, por conta da grande queda nos preços, que vem ocorrendo por conta da crise econômica do país. Essas empresas estão sempre à espera de momentos oportunos – nos quais o mercado fica desacelerado e, por isso, os preços caem – para adquirir imóveis de qualidade com preços abaixo do habitual.

Embora as empresas ainda estejam iniciando no ramo imobiliário brasileiro, a estimativa é de que os negócios se expandam, já que o momento conturbado da economia brasileira é favorável, o que cria grandes oportunidades para investidores.

Com a estimativa de o país passar, em breve, por uma reforma econômica, a expectativa é que surjam ativos por preços ainda mais atrativos, antes que a economia se estabilize novamente.

Diante de tal cenário, os investidores brasileiros não devem ficar para trás em relação aos estrangeiros: o momento é oportuno e, provavelmente, raro. Por isso, se você pretende investir em imóveis, não adianta esperar mais, o momento certo é agora!

A WBonato conta com uma equipe especializada e dedicada de corretores para lhe atender, além de oferecer os melhores imóveis em Curitiba, com toda a qualidade e segurança que só uma imobiliária experiente pode te proporcionar, contate-nos já!

Fonte: Exame

Publicado em Mercado Imobiliário | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

EMPREENDIMENTOS VÊM VALORIZANDO CADA VEZ MAIS AS VAGAS PARA CARROS ELÉTRICOS

A tecnologia está cada vez mais em alta, não dá pra negar! Já comentamos aqui, no artigo anterior (para acessar, clique aqui), sobre a grande popularização das casas inteligentes, que consistem em imóveis equipados com recursos tecnológicos e permitem o acesso a diversas funcionalidades da residência, como luzes e eletrodomésticos, remotamente.

Outra tecnologia que vem crescendo muito são os carros elétricos, que prometem ser o transporte do futuro. Essa tecnologia tem interferido diretamente no ramo imobiliário, de modo que construtoras começaram a investir em vagas adaptadas para esse tipo de veículo, oferecendo pontos de recarga e atraindo o interesse daqueles que estão antenados com essa tecnologia.

Investir em vagas que possuam a tecnologia de recarga para veículos elétricos, sejam carros ou bicicletas, é uma forma de oferecer diferencial em relação a concorrência, e antecipar-se a uma tendência de mercado que, sem dúvidas, ganhará força nos próximos anos, transformando-se em uma necessidade básica dos clientes.

E não são apenas empreendimentos residenciais que tem adotado essa visão de futuro na hora de escolher recursos inovadores, alguns empreendimentos comerciais, como, por exemplo, o Shopping Pátio Batel, também estão aderindo a ideia, visando oferecer algo diferenciado e atrativo para os clientes. Os clientes, ao “abastecerem” seus veículos, não precisam arcar com nenhum custo, basta estacionar e deixar o veículo conectado à tomada durante as compras, simples assim.

O que você acha dessa nova tecnologia? Ela é útil, vai beneficiar muitas pessoas? Você possui interesse em uma vaga dessas? Saiba que na WBonato você encontra o seu imóvel dos sonhos, independente de vaga personalizada para veículo elétrico ou não, venha já conferir!

Fonte: Secovi-PR

Publicado em Mercado Imobiliário, Tecnologia | Deixar um comentário

CASAS INTELIGENTES COMEÇAM A GANHAR ESPAÇO NO MERCADO IMOBILIÁRIO BRASILEIRO

Os brasileiros vêm se mostrando cada vez mais antenados com as novidades tecnológicas. A nova tendência é o uso de tecnologia para desempenhar tarefas em casa, como desligar e ligar luzes ou eletrodomésticos, utilizando o acesso remoto, por meio de um smartphone ou tablet conectado à internet.

As casas tecnológicas podem parecer algo extremamente inovador, no entanto, estima-se que, aproximadamente, 90% dos brasileiros já conhecem o conceito e sabem do que se trata, além disso, pesquisas mostram que cerca de 57% daqueles que já conhecem o conceito, acreditam que tal modernidade terá impacto em suas vidas nos próximos cinco anos, de forma mais significativa do que os carros conectados ou a computação em nuvem.

Independente do conhecimento e interesse dos brasileiros acerca de casas inteligentes, elas ainda não estão sendo ofertadas em grande escala por aqui: Das 63,3 milhões de residências que temos em nosso país, apenas 300 mil são automatizadas, de acordo com informações do IBGE e da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside).

No entanto, a tendência é que esse número cresça cada vez mais, já que existe uma demanda crescente para o segmento. A questão a ser levantada é para qual tipo de público esse tipo de residência é projetada, uma vez que adquirir um imóvel diferenciado dessa maneira pode custar caro.

Em termos de apartamento, optar por uma opção inteligente, no estilo loft, atualmente, lhe custará – no mínimo – entre R$ 500 mil e R$ 700 mil. Porém, a expectativa é que com o crescimento de ofertas no segmento, o mercado se torne mais competitivo e, assim, os preços se tornem cada vez mais acessíveis.

E se você está a procura de seu novo lar, seja ele inteligente e automatizado ou não, venha para a WBonato! Nós somos a melhor imobiliária em Curitiba, sempre oferecendo atendimento de qualidade e os melhores imóveis da região. Pensou em casa, sobrado ou apartamento em Curitiba, pensou em WBonato!

Fonte: Secovi-PR

Publicado em Dicas, Mercado Imobiliário, Tecnologia | Com a tag , , , | 1 comentário